Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Mercado de trabalho no RS segue com elevação no número de empregos formais

Construção civil, serviços e agropecuária apontam maior crescimento

Publicação:

Boletim de Trabalho do Rio Grande do Sul
Boletim de Trabalho do Rio Grande do Sul

Após a recessão econômica provocada pela pandemia de Covid-19 e uma severa estiagem, o mercado de trabalho no Rio Grande do Sul seguiu em recuperação no terceiro trimestre de 2022, com dados positivos de empregos formais. É o que aponta o Boletim de Trabalho do Rio Grande do Sul, divulgado nesta quarta-feira (18/1) pelo Departamento de Economia e Estatística (DEE), vinculado à Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão (SPGG).

O documento, elaborado pelos pesquisadores Guilherme Xavier Sobrinho e Raul Bastos, divide-se em duas seções. A primeira analisa o comportamento do mercado de trabalho até o terceiro trimestre de 2022, com base nas informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua/IBGE). A segunda seção aborda o comportamento do emprego formal a partir de informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Novo Caged), do Ministério do Trabalho e Previdência, até novembro de 2022. Em ambas as seções também há análises comparativas em relação a outros estados e ao país.

Os dados da PNAD Contínua indicam que, em linhas gerais, com exceção dos rendimentos dos ocupados, houve avanços nos principais indicadores do mercado de trabalho gaúcho. “Entre outros aspectos, a continuidade do processo de melhora no 3º trimestre de 2022 é ratificada pela recuperação da taxa de participação na força de trabalho, pelo aumento do nível de ocupação e pela queda na taxa de desocupação”, explica Raul Bastos.

Também ocorreu crescimento no número de empregos formais, com 109,2 mil novos vínculos na comparação com novembro de 2021. “Apesar deste crescimento, o resultado marca uma desaceleração no confronto com o período de novembro de 2020 ao mesmo mês de 2021, pois o saldo decresceu aproximadamente 30%”, pontua Guilherme Sobrinho.

Na mesma base de comparação, a maior variação percentual do emprego formal foi registrada no setor da construção civil (6,9%), enquanto serviços e agropecuária dividiram a segunda posição, com 5% de expansão dos seus estoques. A indústria, que liderou o crescimento nos 12 meses anteriores, passou para a quarta colocação (3,5%), superando apenas o comércio (3,2%).

Na distribuição dos empregos formais gerados entre novembro de 2021 e novembro de 2022, houve equidade entre homens (50,1%) e mulheres (49,9%), reforçando a tendência de progressiva convergência nas participações dos dois grupos no mercado formal de trabalho gaúcho – a Relação Anual de Informações Sociais (Rais) mostra que, ao final de 2021, homens ocupavam 53,2% dos vínculos formais do Estado. Dez anos antes, sua parcela era de 55,3%.

No Estado, a preferência é pela mão de obra mais jovem. Entre novembro de 2021 e novembro de 2022, os menores de idade ficaram com 26,3% dos novos empregos (28,8 mil adolescentes). Os jovens de 18 a 24 anos concentraram 53,7% dos postos adicionais gerados no período, com 58,6 mil vínculos. Assim, 80% dos empregos gerados em um ano se referem a menores de 25 anos, os quais, na Rais de 2021, limitavam-se a 15,5%. As duas faixas com idades mais elevadas (50 a 64 anos e 65 anos ou mais) foram as únicas a ter saldos negativos.

O salário médio real de admissão no mercado formal do Rio Grande do Sul situava-se, em novembro último, 1,9% acima do praticado no mesmo mês do ano anterior e atingia R$ 1.801,52. Entretanto mantinha-se 9,2% inferior ao valor de novembro de 2020.

Texto: Ascom SPGG
Edição: Secom

Casa Civil